Política

Impeachment: Como funcionará o julgamento de Moisés nesta sexta (27)

A acusação diz respeito a um suposto crime de responsabilidade no caso do reajuste salarial dos procuradores do Estado.

Escrito por Da Redação SCNotícias

27 NOV 2020 - 09H50 (Atualizada em 27 NOV 2020 - 14H21)

(Imagem: Rodolfo Espíndola/Agência Alesc) 5cda0d9e3ed8f1cf44636a5db4e3ea64_post_large ((Imagem: Rodolfo Espíndola/Agência Alesc))

Acontece nesta sexta-feira (27), a partir das 9h, na Assembleia Legislativa de SC (Alesc), o julgamento final do governador afastado Carlos Moisés da Silva pelo Tribunal Especial do Impeachment no primeiro processo. A acusação diz respeito a um suposto crime de responsabilidade no caso do reajuste salarial dos procuradores do Estado.

Para o início da sessão, havia previsão do chamamento de testemunhas, mas a defesa abriu mão do direito e a acusação teve as indicações negadas.

Na sequência, o denunciante - defensor público Ralf Zimmer Júnior - e o denunciado - Moisés -, ou seus advogados, terão 30 minutos para se manifestarem e, em seguida, serão interrogados pelo colegiado.

Após o interrogatório, defesa e acusação poderão fazer o uso da palavra por uma hora e meia - neste tempo estão inclusas interrupções por parte do tribunal -, com direito a mais uma hora para réplica e uma hora para tréplica.

A tendência é de que a sessão seja rápida e não demore tanto quanto o primeiro julgamento. A expectativa é de que o encerramento aconteça no meio da tarde.

Concluídas as manifestações, o presidente do colegiado, desembargador Ricardo Roesler, chamará os membros do tribunal, um a um, para discutir o tema. Na sequência, o presidente do colegiado apresentará um relatório resumido com os fundamentos da acusação e da defesa, assim como das provas do caso.

É previsto aos membros do tribunal misto o direito de pedir vista do processo. O prazo para eventual novo julgamento é de até cinco dias corridos.

Na sequência acontece a votação. Neste momento, Roesler questionará os julgadores se Moisés cometeu crime de responsabilidade, que deverão apenas indicar por 'sim' ou 'não', sem realizar a leitura do voto.

Se a denúncia for aprovada por pelo menos sete - dois terços - entre os 10 votos, o governador perderá o processo em definitivo. Caso contrário, voltará ao cargo.

Se a denúncia for aceita

Caso o governador afastado receba os sete votos necessários para ser cassado, o julgamento ainda terá mais uma questão para resolver. O tribunal deverá definir por quanto tempo Moisés ficará inabilitado para o exercício de um cargo público. O prazo máximo para a pena é de 5 anos e também precisará ser aprovado por dois terços do colegiado.

Se cassado, Moisés também poderá responder à denúncia na Justiça comum. Neste cenário, após o julgamento, o tribunal deverá intimar a governadora interina, Daniela Reinehr, para que assuma o cargo de forma definitiva.

Se a denúncia for rejeitada

Caso a decisão do colegiado seja pela absolvição, Moisés será reconduzido ao cargo de governador do Estado. Neste cenário, ele também receberia o montante salarial (um terço) que lhe foi retirado durante o seu afastamento.

Fonte: RCN

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Da Redação SCNotícias, em Política

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.